Não leve a vida depois dos 60 muito a sério – vamos abraçar o absurdo!

Quando meus filhos eram pequenos, eu adorava ler os livros do Dr. Seuss para eles. Havia algo sobre os personagens estranhos e mundos maravilhosos que nos levavam a ataques incontroláveis ​​de risadinhas. É uma pena que, como adultos, esperemos que sejamos tão sérios. É quase como se esquecêssemos como apreciar os momentos bobos e sem sentido da vida.

Não sei vocês, mas uma das coisas que mais gosto em ter mais de 60 anos é que não me importo mais com o que os outros pensam. Pessoalmente, acho que a vida depois dos 60 é uma oportunidade de regredir um pouco e nutrir nossa criança interior.



Nas palavras do Dr. Seuss, “Eu gosto de bobagens, elas despertam as células do cérebro. A fantasia é um ingrediente necessário na vida, é uma maneira de ver a vida pelo lado errado do telescópio e permite que você ria das realidades da vida.”

Dr. Seuss - Eu gosto de bobagens, acorda as células do cérebro

Não importa o que a vida depois dos 60 anos traga, vamos nos lembrar de não levar tudo tão a sério. Vamos ao parque tomar sorvete com uma colher de plástico. Vamos ao cinema de vez em quando e sentar e rir junto com as meninas no último desenho animado da Disney. Vamos escrever poesia sem sentido e postá-la em papel funky por toda a casa. Vamos abraçar o absurdo!

Você acha que tendemos a nos levar muito a sério quando adultos? O que você costumava fazer quando criança que gostaria de estar fazendo ainda hoje? O que está te impedindo? Por favor, junte-se à conversa.

SABER MAIS

Aqui está um pequeno vídeo que gravei sobre o tema de abraçar o absurdo para aproveitar melhor a vida depois dos 60.